Candlestick.com.br - O seu portal sobre análise de candles
Home Quem Somos Links Leia nossos artigos Fale conosco


 
Um pouco de história sobre análise de candles

    A técnica de análise de candles, também conhecida como análise gráfica de Candlestick, foi assim denominada por Steve Nisson, um americano que operava no mercado de ações de Nova York, no início da década de 80. Nisson descobriu a técnica ao observar uma colega de trabalho, de origem oriental, que atendia clientes japoneses da corretora onde trabalhava. Ela manuseava um gráfico estranho, que ele nunca tinha visto. Ele aproximou-se dela e começou a perguntar sobre aquele gráfico e como ela o utilizava. Depois de algum tempo ele se apaixonou pelo método e começou a estudá-lo com afinco. Buscou literatura no Japão e mandou traduzir diversos livros. Passou a utilizar a técnica do mercado de ações e obteve grande sucesso em sua utilização. Por suas mãos a técnica deixou de ser um "segredo" da cultura japonesa e ganhou o mundo.

    Esse método, no entanto, é muito antigo e suas referências históricas mais remotas apontam para o Japão feudal do século XVIII, tendo sido mantido em segredo por mais de 200 anos. Nessa época o Japão vivia em clima de guerra, com frequentes confrontos entre os príncipes que dominavam as províncias que ainda não eram unificadas sob um império. A tradição japonesa refere-se a esse período da história como Sengoku Jidai (tempo do país em guerra).

    Durante esse período conturbado, transportar cargas de arroz pelas estradas era perigoso, demorado e tinha custo elevado. Por essa razão, os fazendeiros preferiam guardar sua produção em armazéns, que forneciam certificados de propriedade que podiam ser negociados em todo o Japão. Aos poucos, o arroz foi se tornando a base da economia japonesa e uma espécie de moeda paralela. O centro comercial do arroz logo se estabeleceu em Osaka, que era uma cidade portuária e favorecia em muito o comércio e o transporte embarcado.

    Nesse cenário surgem os mercadores de arroz, que se tornaram extremamente ricos. Um deles era Yodoya Keian, reconhecido por sua notável capacidade de transportar e distribuir o arroz. Sua influência fez surgir o primeiro local (bolsa) de negociação e comércio de arroz, por volta de 1730: o jardim de sua casa.

    O domínio de Yodoya Keian sobre o mercado de arroz só terminou quando o governo militar, conhecido como Bakufu, preocupado com a riqueza e o poder dos mercadores, decidiu confiscar seus bens por considerar que ele vivia um "estilo de vida" acima de sua condição social, pois o país adotava uma cultura segmentada em castas.

    As negociações em seu jardim terminaram, mas a idéia sobre a existência de uma bolsa de arroz não morreu. Mais tarde essa bolsa se estabeleceu oficialmente na cidade de Dojima, onde operavam cerca de 1300 traders de arroz.

    Uma rica família de fazendeiros de arroz, de sobrenome Homma tinha sua base de negociação na cidade de Sakata, onde o comércio de arroz também era forte. Por volta de 1750 o patriarca da família Homma faleceu e o controle dos negócios passou para Munehisa Homma, que era seu filho mais novo. Na tradição hierárquica japonesa quem deveria assumir os negócios era o filho mais velho, mas a família já conhecia o talento de Munehisa para o comércio e resolveu entregar-lhe essa responsabilidade.

    Munehisa Homma, nascido em 1724, foi um estudioso do mercado e desenvolveu elaborada teoria sobre seu comportamento. Registrava informações históricas detalhadas sobre as condições do clima e sua influência sobre os preços do arroz. Guardava também o histórico de suas próprias negociações. Dotado de grande capacidade de observação, percebeu que o mercado se comportava de forma repetitiva e que era possível identificar padrões para esse comportamento.

    Para compreender tal comportamento, analisou os movimentos de preços do arroz desde a época em que os negócios eram realizados no jardim de Yodoya.

    A forma que escolheu para ilustrar os preços era gráfica, através do desenho de barras brancas e negras semelhantes à velas, que eram o instrumento artificial de iluminação, na época. Com essa representação, Munehisa lançava "luz" sobre o mercado para tentar entendê-lo. O uso das cores branco e preto também tem significado. Na cultura oriental, o branco representa o elemento Yin (equivalente ao conceito ocidental do bem) enquanto o preto representa o elemento Yang (equivalente ao conceito ocidental do mal). Dessa forma, em um dia de alta o mercado estaria envolto em otimismo (energia positiva), enquanto em um dia de baixa estaria impregnado de pessimismo (energia negativa). Além disso, o contraste completo entre essas cores proporciona boa visibilidade para distinguir os dias de alta dos de baixa.

    Conta a história que ele conseguiu realizar mais de 100 trades vitoriosos consecutivos, e que não havia sequer a necessidade de permanecer em Osaka para realizar as negociações. Utilizando-se de mensageiros colocados sobre telhados das casas que existiam ao longo do caminho entre Sakata e Osaka, ele transmitia as ordens de compra e venda do arroz por meio de um sistema de sinais feitos com flâmulas de diversas cores.

    Em pouco tempo Munehisa passou a atuar na grande bolsa de Dojima, época em que acumulou grande fortuna. A precisão de suas análises era tamanha que o governo o contratou como consultor financeiro e lhe concedeu o título de Samurai.

    A partir de 1755, Munehisa decide registrar oficialmente seu conhecimento e escreve "San-en Kinsen Hiroku", o primeiro livro conhecido sobre psicologia de mercado. Também são atribuídos a ele os livros "Sakata Senho" e "Soba Sai No Den". Dessa forma, Munehisa deixa ao mundo seu legado de conhecimento antes de morrer em 1803.

    Das teorias que Munehisa Homma criou sobre o comportamento dos negociadores do mercado de arroz, surgiram as técnicas de análise de gráficos de Candlestick, que hoje são utilizadas em todo o mundo.

  

Política de privacidade   |   Links   |   Em Foco   |   Mural   |   Depoimentos